Istambul, minha nova paixão!

Acho que a maior vantagem de estar na Romênia é sua localização estratégica. O país está no meio do Leste Europeu, relativamente perto de vários lugares bem bacanas, facilitando bastante a vida de viajantes como nós, entusiasmados e desprovidos de grandes budgets.

E como pobres viajantes vivem de oportunidades, aproveitamos uma viagem de trabalho para esticar o final de semana em Istambul!

Devo dizer que sempre tive muita curiosidade por esse país que de certa forma é a ponte entre Eurásia e o Oriente Médio. Estava ansiosa pois seria minha primeira visita a um país oficialmente muçulmano mas, apesar de tudo isso, não tinha expectativas muito altas.

Sabia que seria uma viagem interessante mas nunca pensei que Istambul ganharia um lugar tão especial no meu coração.

Istambul é puro amor!

No meio das caminhadas ruas e cantinhos super charmosos, muito amor!

Sério mesmo! O amor foi tamanho que chegamos a pensar na hipótese de morar lá, caso tivéssemos uma proposta. Afinal depois de ter que aprender romeno juro que o turco nem assusta tanto.

A cidade é realmente sedutora, suas combinações intrigantes entre o antigo e o moderno, a grandiosidade e a delicadeza, o espiritual e o concreto somadas a uma extraordinária riqueza de detalhes faz com que você não se canse de olhar.

A parte antiga, onde está a maior parte dos pontos turísticos, é incrível. Através de prédios, bazares e praças é possível aprender muito sobre a rica história desta cidade cosmopolita que já foi casa de três grandes impérios: Romano, Bizantino e Otomano.

Mas Istambul cativa, não só por suas construções, seu povo, sua comida, sua agitação e sua organização além de sua interessante localização em dois continentes faz desta cidade um lugar completamente envolvente.

Descobri e me apaixonei por tantas coisas que estava difícil organizar as ideias para escrever. No fim, seguindo a sugestão da minha “personal jornalista”, Érica Alcantara, optei por dividir as informações e fazer posts por temas.

Então aqui vão, locais onde ir + informações importantes:

Aeroportos

A cidade tem dois aeroportos internacionais: o Atatürk (IST) que fica do lado europeu e o Sabiha Gökçen (SAW) localizado na parte asiática da cidade.

Na minha opinião, o Atatürk (IST) é a melhor alternativa por ser mais próximo dos bairros turísticos (cerca 25 km) e ainda estar conectado à cidade através de uma linha de metrô que faz coligação com outras linhas inclusive com o Tramvay (tipo bondinho).

Metrô e Tramvay

O transporte público é muito organizado, seguro, fácil de usar além de ser uma ótima escolha pra quem não está afim de perder tempo preso no trânsito.

O tramvay é uma ótima opção para se locomover por Istambul.

Pra longas distâncias, como do aeroporto Atatürk ao centro histórico, o Tramvay é a opção mais prática. E ainda dá para ir curtindo a cidade no caminho!

Sim trânsito, o ponto negativo de Istambul é o tráfego intenso e bem caótico.

O bilhete unitário custa 5TL. Se for ficar vários dias, recomendo que compre o Istanbulkart , um cartão pré-pago, similar ao Bilhete único de São Paulo. Não sei qual é o valor do cartão, mas acho que não deve ser muito mais que o valor de uma passagem, 5TL. De qualquer forma, vale a pena pois com ele você pagará uma tarifa diferenciada nas integrações dos transportes.

Para trajetos curtos, uma boa alternativa é seguir a pé. As principais atrações estão num raio de 2 km da Praça Sultanahmet e caminhando você poderá explorar melhor as pessoas, as comidinhas, as ruas e as vendinhas que estão por todos os espaços.

Moeda

A moeda oficial do país é a Lira Turca (TL), existem muitas casas de câmbio espalhadas pela cidade mas os valores de uma pra outra tem uma certa variação.

Nós levamos euro e optamos por trocar aos poucos assim conseguimos pegar uma taxa média um pouco melhor.

Pela cotação do Uol hoje, 19/12/2017 – R$ 1= 1,165 TL, muito sucesso!!

Onde fomos

Já que o tempo era curto e queríamos turistar também pelas ruas decidimos ir apenas nos principais pontos. Por sorte nosso B&B ficava logo abaixo da Mesquita Azul e isso agilizamos bastante nossa vida.

Mesquita Azul (em turco: Sultanahmet Camii)

Construída entre 1609 e 1616 a mando do Sultão Ahmed I, que queria fazer uma mesquita maior, mais imponente e mais bonita do que a antiga Basílica de Santa Sofia.

Arquitetura grandiosa

A Mesquita Azul, vista da praça Sultanahmet.

Ela fica frente a frente com sua antiga “rival” e é a única mesquita, em Istambul, que possui seis minaretes.

Se a parte de fora já seduz pela elegância e imponência, quando entrar na Mesquita seu coração, com certeza, cairá de amor. A parte interna é ainda mais linda, com uma arquitetura grandiosa, belíssimos mosaicos, vitrais, colunas, painéis, lustres e uma energia indescritível.

A Mesquita Azul é deslumbrante!

Na Mesquita Azul, tudo é muito! Muitos detalhes, muitas cores, muita beleza, muito esplendor. Um carinho para os olhos e pra alma!

Independente de religião, crenças e questões esse lugar é especial e muito emocionante.

A Mesquita fica aberta todos os dias da semana, fechando para visitação algumas vezes no decorrer do dia, nos horários das orações. A entrada é gratuita.

Para todos é obrigatório tirar os sapatos, na entrada eles dão sacolinhas pra você colocar seu calçado. As mulheres devem colocar lenço na cabeça, não podem estar com os ombros a mostra e se possível usar saias compridas (se precisar a Mesquita fornece emprestado lenço e saia). Os homens são proibidos de entrar de bermuda, short e/ou regatas.

Basílica de Santa Sofia ou Hagia Sophia (em turco: Ayasofya)

Embora seu nome pareça ser homenagem a uma santa, na verdade “Sophia” remete a sabedoria, Basílica de Santa Sofia = Igreja da Santa Sabedoria de Deus.

A antiga Mesquita que foi transformada em Museu.

Hagia Sophia, também vista da praça Sultanahmet.

Construída pelo Imperador Justiniano, a Basílica foi inaugurada em 537 e era considerada a maior igreja do período Bizantino, onde aconteciam as coroações dos Imperadores.

Até a metade do século XV sofreu apenas uma breve intervenção, entre 1024 a 1261 quando foi convertida a catedral católica romana durante o Patriarcado Latino de Constantinopla.

Simplesmente linda!

Interior majestoso, onde ainda predominam os símbolos islâmicos.

Mas, em 1453, Constantinopla é conquistada pelo Império Otomano e o edifício é convertido numa mesquita. Os símbolos ortodoxos como os sinos, o altar, a iconóstase e os vasos sagrados foram removidos, diversos mosaicos e pinturas foram cobertos. Além disso foram implementados elementos essencialmente islâmicos como o mihrab, o minbar e os quatro minaretes.

Museu Hagia Sophia

Em algumas paredes e partes do teto é possível ver pedaços dos mosaicos e pinturas da antiga fase Bizantina.

Mihrab: é um nicho em forma de abside, tipo um “altar-mor” na mesquita. Ele tem a função indicar a direção da cidade de Meca, para orientar os muçulmanos em suas cinco orações diárias (salah).

Minbar: púlpito, situado à direita do Mihrab, de onde o imã profere o sermão (khutba) da sexta-feira, que é o dia sagrado dos muçulmanos como o domingo para os católicos.

Minaretes: são as torres de uma mesquita, de onde são anunciadas as cinco chamadas diárias à oração. Normalmente são bem mais altas que a Mesquita.

Ela manteve sua função como mesquita até 1931, quando foi fechada para ser transformada em Museu a mando de Kemal Atatürk, o fundador da República da Turquia.

Em 1935, o Museu Hagia Sophia é inaugurado se tornando uma das principais atrações turísticas da Turquia. Em 1985, ele é reconhecido como um Patrimônio Mundial pela UNESCO.

Os horários para visitação variam de acordo com a época do ano: de 15/abr a 30/out – 09:00 – 19:00 e de 31/out a 14/abr – 09:00-17: 00 (a entrada é permitida até uma hora antes do fechamento). A entrada custa 40,00 TL.

Cisterna da Basílica (em turco: Yerebatan Sarnıcı)

Istambul, é sem sombra de dúvida, uma enorme coletânea de construções surpreendentes! Pode ter certeza que você ficará boquiaberto muitas e muitas vezes.

E é claro que Cisterna faz parte desta numerosa série de coisas incríveis!

Feita em 532 D.C, com o objetivo de ser um reservatório de água, esta é a maior cisterna entre centenas espalhadas por Istambul.

Cisterna da Basílica em Istambul.

Curioso pensar que um lugar tão bonito foi construído simplesmente para armazenar água.

O que impressiona, além de sua enorme capacidade (30 milhões de litros de água), é sua belíssima e elaborada estrutura com 336 colunas romanas, trazidas de templos pagãos da Anatólia, com estilos diversos, principalmente coríntio, distribuídas em 10.000 metros quadrados de área com 8 m de altura.

Entre tantas colunas, três em especial chamam a atenção: a coluna que chora e as duas intrigantes colunas cuja base tem a forma de Cabeça da Medusa em posições diferentes. O significado das cabeças não é sabido, mas muitos dizem que era para proteger o local afinal quem seria maluco de querer se encontrar com a Medusa?!

As colunas mais famosas da Cisterna.

As duas misteriosas e curiosas Medusas da Cisterna, muitas lendas e crenças.

A visita é breve mas interessantíssima! A Cisterna está aberta a visitação todos os dias e o valor do ticket é 20,00 TL

Palácio Topkapi (em turco: Topkapı Sarayı)

Esse enorme complexo (700 mil m2), com edifícios, uma mesquita, salas e grandes pátios foi construído, logo após a conquista de Constantinopla pelo Império Otomano, para ser uma residência luxuosa e segura para abrigar os sultões.

Palácio Tokpaki

Entrada do Palácio Tokpaki, o primeiro dos três portões.

Por sua localização geoestratégica (no Cabo do Serralho) o Palácio tem uma visão ampla da cidade nos dois continentes (Europa e Ásia) o que facilitava muito o acesso e o controle as duas porções de Istambul.

Nós, pelo tempo apertado, fizemos uma visita meio rápida focando mais nos jardins, visitando apenas 3 das tantas alas tem por lá: as interessantíssimas coleções de armas e de relógios e a emocionante exposição das roupas e relíquias sagradas para os muçulmanos onde estão os pêlos da barba e a marca do pé (enorme) do profeta Maomé.

Estando com tempo, minha indicação é, passe pelo menos meio dia ali. O complexo tem muitos cantinhos bonitos e coisas curiosas, você pode inclusive visitar a área onde ficava o famoso harém do sultão.

Lá dentro tem uma área com restaurante e café, com uma vista incrível do Bósforo. Os preços são meio salgados mas vale muito a pena tomar um chá (indico o chá de maçã que é delicioso) curtindo uma vista de sultão 😉

Jardins do Palacio Tokpaki

Algumas das muitas vistas que se tem dos jardins do Palácio.

O palácio é aberto todos os dias e tem horários diferenciados, de acordo com a época do ano, como a Hagia Sophia.

Hagia Irene, Palácio Tokpaki

Mesquita Hagia Irene, parte do complexo do Palácio Tokpaki. Nesta parte do Palácio ainda é possível ver a Hagia Sophia, lá no fundo.

Valores para visitas: ingresso geral (exceto harém) 40,00TL, para entrar na área do harém deve comprar um ingresso a parte que custa 25TL e se quiser visitar a Mesquita Hagia Irene que fica no interior do complexo terá que pagar mais 20TL.

BAZARES

Os turcos são mercadores seculares, vender e negociar está no sangue deste povo. Não é a toa que toda a Turquia é repleta bazares e mercados onde se pode encontrar diversos tipos de mercadorias.

Dois dos principais e mais famosos mercados do país, o Grand Bazaar e o Bazar de Especiarias, estão em Istambul. Ambos devem estar no seu roteiro, pois mesmo que você não seja um super comprador, vai adorar andar por esses bazares e, com certeza, não sairá de mãos vazias.

Bazar das especiarias ou Mercado Egípcio (em turco: Mısır Çarşısı)

Apesar de ser o segundo maior bazar da cidade (ele é bem menor que o Grand Bazaar), nem por isso é menos interessante ou charmoso.

Ele fica em frente a Mesquita Nova (que infelizmente estava em obras), próximo a Ponte de Gálata.

Antes de entrar, nós nos deixamos perder pelas ruas ao redor e foi bem divertido. A região parece um pedaço do Bairro Brás em São Paulo muitas lojinhas de roupas, armarinhos, tecidos e rendas. Tudo grudado e com muitas mulheres de véu negociando panos, lenços e vestimentas características como túnicas e burkas.

Ruas de istambul

O comércio é agitado nas ruas pelos arredores do Mercado das Especiarias.

Tudo com a típica agitação de uma área comercial, se você tiver perna sobrando e curiosidade de ver e sentir um pouco da rotina local dê uma voltinha por ali, pode te render boas compras.

Mas voltando ao mercado, ele possui umas 100 lojas divididas em dois grandes corredores. Por aqui você encontrará além de muitos temperos e condimentos, chás (maravilhosos!!), doces, frutas secas, jóias, pashiminas, luminárias, porcelanas, jogos de chá, ervas e óleo medicinais, buchas naturais, souvenirs …

Muito barulho, cores e aromas.

Pelos corredores, sempre cheios, os vendedores disputam clientes literalmente no grito.

Você provavelmente ficará meio perdido no começo pois por onde passa eles chamam, oferecem produtos e doces para degustação. A máxima de não compre na primeira loja é bem válida, mas às vezes difícil nestes mercados, eles são realmente persuasivos.

Vá preparado para ficar louco e querer comprar tudo!

Dá pra ficar perdido com tanta coisa interessante, bonita e gostosa!

Ah, outra coisa importante pechinche sempre, pode ser que o desconto não seja lá grandes coisas mas faz parte do ritual mercadológico turco.

Grand Bazaar (em turco Kapalıçarşı)

Já aviso, de cara, que provavelmente minha opinião sobre esse lugar poderá gerar polêmica, mas acontece que pra mim o Grand Bazaar foi meio decepcionante.

Eu estava com uma enorme expectativa para conhecer o mais famoso e emblemático bazar da Turquia. Sua história, sua construção e seu monumental tamanho são de fato fascinantes, são 4000 lojinhas e de acordo com um documentário que vimos ali trabalham cerca de 20 mil pessoas. Pra ter uma ideia, dê uma olhada no mapa.

Sim, tudo isso me encantou bastante mas no fim, o que mais me chamou a atenção (e que me desanimou) foi a enorme quantidade de lojas com artigos genéricos chineses. Muitas, mas muitas lojas com roupas, sapatos e bolsas falsificadas. Tanto que em algumas partes me senti meio que nos shoppings chineses/coreanos da 25 de Março.

Um paraíso pra quem gosta de comprar!

De luminárias, tapetes e muito ouro (inshallah!!) a roupas falsificadas, o Grand Bazaar tem muito de tudo!

Posso ser meio romântica demais, mas acho que deveria haver uma curadoria sobre o que o comerciante irá vender ali afinal ele é parte da história.

Os dois bazares ficam abertos de segunda a sábado das 9h às 19h e a entrada é gratuita.

Coisas, passeios e atrações que não fomos por falta de tempo, mas que estavam na nossa listinha

Passeio de barco pelo Bósforo

O estreito de Bósforo é o símbolo da característica exclusiva de Istambul que é ser a única cidade no mundo que está dividida entre dois continentes.

Vistas lindas dos dois continentes

Na próxima ida a Istambul, com certeza faremos o tour pelo Bósforo.

E é essa mística, de navegar sob essa linha imaginária, junto com as deslumbrantes vistas que faz esse passeio ser tão indicado e requisitado.

No blog 360 meridianos tem um post bem legal sobre esse tour.

Show folclórico turco

Existem, espalhados pela cidade, vários teatros e casas que fazem apresentações folclóricas, muitas são caras e a coisa é bem turistona.

Nós, tínhamos o plano de assistir algo assim e pra não cair em ciladas recorremos a nossa querida anfitriã turca, Semra. Sua indicação foi o Centro Cultural Hodjapasha, onde ela costuma levar seus alunos de intercâmbio e amigos gringos.

Infelizmente, esse também ficou para a próxima. Mas se tiver tempo, super recomendo!

Banho turco

Ahh, como queríamos ter ido a um Hammam!!!

Essa tradição turca existe há milhares de anos (suas origens datam de antes de Cristo), e consiste em fazer uma sauna com esfoliação seguida de um banho de espuma, ambos dados por uma outra pessoa. Pode ser feito por homens e mulheres.

Tivemos duas recomendações de lugares: o Ayasofya Hamami, que fica num prédio bem bonito em frente a Hagia Sophia, e foi considerado o melhor banho turco do país. E o também tradicional, Cemberlitas Hamami, que fica na região perto do Grand Bazaar.

Estas três coisas estão no top da lista de coisas a fazer para a nossa próxima ida a Istambul, pois é já queremos ir de novo! E espero que seja em breve, inshallah!!

Tati Basilio

 


'Istambul, minha nova paixão!' have 2 comments

  1. 12/20/2017 @ 01:28 Camila

    Sou amiga da sua “personal jornalista” 😁, e adorei o jeito que descreveu seus passeios. Já ficava curiosa por conhecer um pouco da história das mesquitas, mas agora fiquei com muita vontade de visitar Istambul! Vou acompanhar seus posts! 😘

    Reply

    • 02/08/2018 @ 04:10 entrepanelasetacas

      Muito obrigada Camila!!! Se sua curiosidade aumento, alcançamos nosso objetivo rs …. 😘😘

      Reply


Would you like to share your thoughts?

Your email address will not be published.

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

Todas as imagens deste site são de propriedade de seus autores e sua utilização sem prévia autorização é expressamente proibida. Maiores informações: entrepanelasetacas@gmail.com

Paste your AdWords Remarketing code here